“A Solteirona Incompetente”

“A Solteirona Incompetente”

“Embora os homens a considerem desinteressante, até mesmo repulsiva, (magra, com o rosto muito estreito e o maxilar inferior proeminente) Lola vê-se como uma dádiva de Deus ao sexo oposto, como a mulher que qualquer homem quer ter ao seu lado.”

“A sua vida amorosa não é brilhante: sempre que se interessa por um homem torna-se obcecada, perseguindo-o. Contudo, descreve a situação como se fosse ele o perseguidor, vitimiza-se como sendo a mulher abandonada.”

“A Menina Teresinha, conforme é conhecida pelos seus empregados, nunca aceitou a mudança da ditadura para a democracia, já que o regime deposto era o ambiente favorável para o estilo de vida da sua família; faz questão em dizer que sente muitas saudades “dos tempos do Salazar.”

A Lola e a sobrinha

Lola e a sobrinha mais velha (Dores), em casa da mãe da primeira, discutem sobre como executar uma tarefa doméstica.

Lola

Dores, o que é que estás a fazer?

(A sua voz histriónica faz-se ouvir no andar de baixo. O vizinho não consegue evitar ouvir.)

Dores

O vaso da varanda virou-se e espalhou a terra. ‘Tou a apanhá-la.

Lola

Mas estás a varrer para dentro de casa e para cima dos teus pés!

(Dores pára e observa atentamente, de forma alternada, a vassoura e a terra espalhada.)

Dores

Mas então como é que eu varro?

 

Lola

No sentido contrário! Para cima de ti é que não!

(O vizinho senta-se na varanda, divertido.)

Dores

Mas assim não vejo o que ‘tou a varrer porque a vassoura ‘tá à frente…

(Lola respira fundo de impaciência e tira a vassoura de Dores, bruscamente.

Começa a varrer.)

Dores

Mas o qu’ é que ‘tás a fazer, tia? Assim atiras a terra toda p’rá rua!

Lola

Não faz mal. Dá menos trabalho e não suja a casa.

(O vizinho refugia-se dentro de casa, rindo.)

 

“A Solteirona Incompetente”

"A Solteirona Incompetente"

“A vida amorosa de Lola não é bem sucedida. Os homens consideram-na pouco ou nada interessante, quer física, quer intelectualmente. Ao longo da sua vida, Lola perseguiu vários homens, solteiros, casados e viúvos, por quem se sentiu atraída, insinuando-se com prendas e oferecendo-se como a melhor amante do mundo.”

“Os homens acham-na desinteressante, pois para além de intelectualmente diminuída, tem também poucos ou nenhuns atractivos físicos (magra, com um rosto muito estreito onde se destaca um maxilar inferior proeminente, cabelos louros pintados), o que se agrava por ser desleixada. Contudo, ela considera-se como a mulher que qualquer homem gostaria de ter.”

“Pablo tem cerca de 50 anos e é divorciado. Diz a toda a gente que é engenheiro, mas nunca ninguém viu provas disso. Ausenta-se por longos períodos em viagens que diz serem de trabalho. Vive muito acima das suas possibilidades e adora a liberdade que a sua relação com Lola lhe permite. Não gosta dela mas sim do conforto que ela lhe proporciona.”

“A Casa do Zu e da Lu”

“A Casa do Zu e da Lu”

“A Luísa percebeu que o Diogo e o Alexandre não tinham coragem para entrar, por isso decidiu ser a primeira e os dois rapazes não tiveram outra solução se não segui-la.

Devagar, com muito cuidado, pois estava muito escuro, os meninos entraram e a porta fechou-se atrás deles, batendo com força.

O Diogo saltou com o susto.”

“- O nosso povo e os humanos sempre viveram próximos, mas nunca se entenderam muito bem. Parece que só as crianças é que nos conseguem ver, por isso, são muitos os humanos que não acreditam que nós existimos e isso deixa-nos tristes.” In “A Casa do Zu e da Lu”, por Fada Madrinha