Bom 2012/Happy New Year

Bom 2012

 

Bom 2012/Happy New Year

 

З Новим роком

Chúc mừng năm mới

Yeni yılınız kutlu olsun

สวัสดีปีใหม่

Gott nytt år

Furaha ya mwaka mpya

Срећна нова година

С Новым годом

An nou fericit

Szczęśliwego nowego roku

سال نو مبارک

Godt Nyttår

Selamat tahun baru

Среќна Нова година

Laimingų naujų metų

Laimīgu jauno gadu

幸せ新しい年

Buon anno

Hamingjusamur Nýtt Ár

Bhliain nua sásta

Selamat tahun baru

מזל נייַ יאָר

Boldog új évet

Gelukkig Nieuwjaar

नया साल मुबारक हो

שנה טובה ומבורכת

હેપી ન્યૂ યર

Ευτυχισμένο το νέο έτος

გილოცავთ ახალ წელს

Happy flwyddyn newydd

Feliz ano novo

Bonne année

Onnellista uutta vuotta

Maligayang bagong taon

Head uut aastat

Feliz año nuevo

Šťastný Nový Rok

Srečno novo leto

Godt Nytår

Sretna nova godina

새해 복 많이 받으세요

新年快乐

Šťastný Nový Rok

Feliç any nou

ಹ್ಯಾಪಿ ನ್ಯೂ ಇಯರ್

Честита нова година

З Новым годам

শুভ নতুন বছর

Urte Berri

Yeni iliniz mübarək

Շնորհավոր նոր տարի

سنة جديدة سعيدة

Glückliches neues Jahr

Gëzuar Vitin e Ri

Gelukkig nuwe jaar

Happy New Year

FELIZ NATAL!

Feliz Natal

Merry Christmas     Frohe Weihnachten     Bon Nadal

Veselé Vánoce    Sretan Božić     Glædelig jul

veselé Vianoce     Весела Коледа      З Калядамі

Vesel božič      ¡Feliz Navidad     Häid joule

Hyvää Joulua     Joyeux Noël      Bo Nadal

Nadolig Llawen     შობა     Καλά Χριστούγεννα

חג מולד שמח     Boldog Karácsonyt     Selamat Hari Natal

Nollaig Shona      Gleðileg jól      Buon Natale

メリークリスマス       Priecīgus Ziemassvētkus      عيد ميلاد مجيد

Gëzuar Krishtlindjet     Geseënde Kersfees      Շնորհավոր Սուրբ Ծնունդ:

শুভ বড়দিন       圣诞快乐        Linksmų Kalėdų

Среќен Божиќ       God jul     Wesołych Świąt

Crăciun fericit        С Рождеством      Срећан Божић

สุขสันต์วันคริสมาสต์      Mutlu Noeller        З Різдвом

 

“A Solteirona Incompetente”

“A Solteirona Incompetente”

 

Lola, a irmã (Carmo) e a mãe (Menina Teresinha) almoçam em casa da última.

Lola está entusiasmada com o comportamento do novo chefe (Santiago) e a mãe e a irmã apoiam a sua perspectiva da situação.

 

Lola

Ele está sempre a encontrar defeitos em tudo.

 

Carmo

Já te disse que essa implicância é um sinal que ele está interessado em ti. Uma mulher nunca se engana e todas nós temos essa sensação…

 

Menina Teresinha

Mas ele também sabe que pode confiar em ti, que és uma boa trabalhadora…

(Lola concorda, satisfeita por ver que as suas suspeitas se confirmam.)

 

Carmo

Nem mais. Se ele sabe que és tu quem faz tudo, claro que vai empurrar o trabalho todo para ti. Além disso, é a desculpa perfeita para se estar sempre a meter contigo.

(Lola pousa os talheres e olha para a irmã.)

 

Lola

Primeiro achei que ele estava a fazer tudo para me ver pelas costas, mas depois comecei a perceber melhor as coisas… Ele não faz isso com mais ninguém.

(Coça o ouvido com o dedo mindinho e limpa a parte interior da unha.)

 

 

Carmo

Tens que lhe mostrar que também estás interessada.

 

Menina Teresinha

A tua irmã está coberta de razão. E pelo que contas, esse Santiago é um partido a não perder…

 

Lola

Claro que é. É formado, ganha muito bem, não é a esmola que me pagam a mim, e parece que tem umas propriedades no Alentejo…

 

Menina Teresinha

Então apressa-te, filha. Olha que desses não há muitos…

 

 

 

 

 

“A Casa do Zu e da Lu”

“A Casa do Zu e da Lu”

por Fada Madrinha

Fada Madrinha

“Era tudo tão pequenino!

As casas, arredondadas, estavam pintadas de cores muito alegres: azuis com janelas amarelas, cor-de-rosa com portas verdes, roxas com portas laranja, todas com telhados em bico muito vermelhos. E parecia tudo muito antigo…

O Zu e a Lu cumprimentavam os amigos que iam encontrando e que estavam muito espantados por verem ali três crianças tão animadas logo de manhã cedo.

Aos poucos, a pequena cidade começou a ganhar mais vida, à medida que os habitantes iam acordando e saindo para a rua e os três amigos repararam que nem toda a gente era igual ao Zu e à Lu. Havia uns mais altos, outros ainda mais pequenos, uns que pareciam ser muito velhinhos com umas grandes barrigas e barbas brancas que lhes chegavam aos joelhos, outros muito magrinhos com orelhas em bico e cabelos louros. E também havia umas meninas que eram as criaturas mais pequeninas de todas, tão pequeninas que pareciam umas borboletas, e que voavam alegremente pelos céus da cidade, e uns gordos todos verdes que faziam barulhos esquisitos dos quais toda a gente se ria. E cheirava sempre tão bem!

De vez em quando passava um carrinho vermelho com portas amarelas, muito devagarinho, que era um táxi, segundo o Zu explicara. A maior parte dos seus amigos andavam de bicicleta, até porque a cidade não era muito grande, mas os táxis eram precisos quando as bicicletas avariavam.”