“O Sonho da Minha Eternidade”

Dia dos Namorados/Valentine’s Day

“O Sonho da Minha Eternidade”

Passava a eternidade assim

Tecendo com a escuridão do meu olhar

A brilhante luminosidade do teu

Transformando um doce toque

No mais sagrado dos momentos

Unindo o rio que corre nas minhas veias

À lava fervente que habita as tuas (…)

in “Ao Bardo Druida”

Disponível em

http://www.bubok.pt/livros/4496/Ao-Bardo-Druida–VolI

Anúncios

“A Mulher da Sua Morte”

Sugestão para o Dia dos Namorados

“A Mulher da Sua Morte”

"Pequenas Histórias para Entreter"

“A Lua estava escondida por uma neblina, o que ajudava Bóris a camuflar-se. A zona era rodeada por algumas habitações de férias e, naquela altura do ano, era comum estarem habitadas. Bóris tinha a certeza que arranjaria sarilhos se fosse visto por ali àquela hora da noite, mas não conseguia deixar de lá voltar desde que se encontrara com aquela mulher pela primeira vez.

Sem perceber porquê, não fora capaz de lhe resistir. Sem qualquer explicação, o estranho toque dela, o cheiro que emanava e as suas carícias eram impossíveis de esquecer. E mesmo que o fossem, Bóris tinha sempre o pequeno golpe no ombro que ela lhe fizera. Por isso regressava todas as noites na esperança de a reencontrar.”

“- Não sigas aquela mulher.

– E porque é que eu havia de dar ouvidos ao teu conselho? Tens alguma coisa a ver com isso?

– Ela é perigosa. – apesar de se sentir incomodado com aquele homem, Bóris riu-se com a resposta. Talvez ele fosse um outro candidato às atenções dela.

– Estás com ciúmes, é? – mas o homem não respondeu, desvanecendo-se perante o olhar estupefacto de Bóris.”

“A Mulher da Sua Morte” in “Pequenas Histórias para Entreter” de Luz de Lisboa

Disponível em

http://www.bubok.pt/livros/321/Pequenas-Historias-para-Entreter

“A Solteirona Incompetente”

“A Solteirona Incompetente”

A acção começa numa altura em que Lola tem uma relação com Paulo, um homem divorciado demasiado discreto sobre a sua vida.

Como desperta pouco a atenção do sexo masculino, embora esteja convencida do contrário, Lola envolveu-se com Paulo apenas porque ele lhe dedica algum tempo da sua vida. Paulo gosta do facto de ela não demonstrar, claramente, interesse numa vida a dois e aprecia, em particular, o facto de ela ter uma situação financeira muito confortável, da qual ele tira proveito sempre que pode.

A família dela opõe-se firmemente à relação, considerando que ele não é digno de se juntar ao clã e que desvia Lola das suas obrigações familiares.

A oposição à relação ganha contornos dignos de uma perseguição policial, com a família de Lola a controlar tudo o que ela faz, com quem, onde e como o faz.

Incapaz de reagir como a mulher adulta que é, Lola decide que o melhor é esconder o seu romance. Como Paulo muda constantemente de casa, Lola decide comprar um apartamento. Mais tarde, Lola descobre que o seu namorado mudava de casa para fugir aos senhorios a quem não pagava a renda.

O apartamento de Lola situa-se num bairro novo onde foram construídos alguns edifícios destinados a realojamentos.

“Dívida de Honra”

“Dívida de Honra” 

Luz de Lisboa

"Dívida de Honra"

“Era como se aquele homem estivesse lá para tomar conta de nós, a dizer-nos que ia ficar tudo bem.

Pouco a pouco, as próprias pessoas foram roubando os cartazes, levando aquele homem para casa, sem darem tempo ao Governo de os tirar. Eu tenho sete, todos espalhados pela casa. Até agora não consigo perceber exactamente o que nos fez confiar tanto naquele homem… em si. – Renato encostou a cabeça às almofadas. – Mas agora percebo.

– Não diga isso. Você não me conhece…

– O que sei chega-me.

Aquela imagem sempre presente dizia-nos que alguém estava a preparar qualquer coisa e qualquer coisa de bom.

Uma manhã, quando saímos para trabalhar, não havia imagem nenhuma e acredito que todos nós percebemos, de imediato, que aquele era o dia certo.

E foi. As tropas estavam na rua e mandaram toda a gente para casa. Muitos não se conseguiram aperceber, com a pressa de se recolherem, mas alguns ainda viram que os tanques tinham a figura daquele homem pintada.

– Que loucura…

– Talvez, mas assim que se espalhou a palavra as pessoas perderam o medo. Ao jantar, a Revolução estava consumada.

Ao longo de todo aquele tempo, os revoltosos tinham minado algumas das bases do sistema e depois acabou por ser relativamente fácil chegar ao Presidente. Sem os seus principais apoios, ele não podia fazer nada.”

 

“A Solteirona Incompetente”

“A Solteirona Incompetente”

O que será que o futuro reserva à Lola, a nossa estimada “Solteirona Incompetente”?

O seu final já está desenhado, mas gostava de ouvir/ler as vossas ideias.

Acaba sozinha?

Consegue tudo o que quer?

Foge com um homem mais novo?

É castigada pelos bons?

Digam o que pensam!

 

“Embora acredite ser uma mulher inteligente, Lola é inculta e infoexcluída, revelando pouco à-vontade mesmo nas matérias relacionadas com história, objecto da sua licenciatura; nunca fez nenhuma actualização/formação, pelo que mantém como dogmáticos os princípios que apreendeu há mais de 25 anos atrás.

Tem pouca consciência das suas limitações intelectuais: sempre que comete um erro e é repreendida, responsabiliza os outros; quando se sente ameaçada, nada a impede de “pisar” os outros, alegando a incompetência alheia.”

“A Solteirona Incompetente”

“A Solteirona Incompetente”

“Convencida que Santiago está interessado nela, Lola começa a oferecer-lhe pequenas prendas, como caixas de bolos ou garrafas de vinho, que ele rejeita repetidamente sem conseguir que ela entenda o seu gesto. Lola insiste, convidando Santiago para jantar com a família e para passar fins-de-semana na propriedade rural.

Depois de diversos meses a tentar afastar Lola da sua vida e da empresa, Santiago acusa-a de assédio sexual e consegue que ela seja objecto de um processo disciplinar.

Lola reage, começando uma campanha de desmoralização de Santiago e dos restantes colegas, procurando arranjar provas da sua incompetência e fazendo-as chegar ao Conselho de Administração.

No entanto, depois de várias jogadas desonestas e de Santiago a ameaçar com um processo em tribunal, o Conselho de Administração decide despedir Lola com justa causa.

Desesperada por ter perdido o emprego, mas, sobretudo, por achar que perdeu Santiago, Lola não sabe que rumo dar à sua vida.

O clã, que a considera que a única saída para Lola é um casamento, decide tomar nas suas mãos o futuro dela.

Depois de uma reunião familiar, a mãe decide que Lola não pode esperar mais por um casamento e procura um marido para a filha.”

“A Casa do Zu e da Lu”

“A Casa do Zu e da Lu”

"A Casa do Zu e da Lu"

Alexandre, Diogo e Luísa, três pequenos amigos estão de férias em casa dos avós do primeiro.

Num extremo do jardim, existe uma pequena casa que se julga abandonada há vários anos.

Curiosos, os três amigos decidem explorá-la e descobrem que, ao contrário do que os adultos haviam dito, a casa não está abandonada.

Nela moram dois pequenos seres, o Zu e a Lu, um estranho casal que nasceu num mundo repleto de criaturas muito diferentes dos humanos e que se vão tornar amigos de Alexandre, Diogo e Luísa.

Os três meninos percebem que também os adultos, enquanto crianças, tinham conhecido o mundo do Zu e da Lu mas que, graças a uns “pozinhos mágicos”, acabaram por se esquecer de tudo.

Desta vez vai ser diferente e Alexandre, Diogo e Luísa nunca vão esquecer os dois seres estranhos e o seu mundo tão peculiar.