Anúncios

“A Ilha”

“Sacudiu o cabelo o mais vigorosamente que o cansaço lho permitia, enxotando para longe terra e pedaços de algas.

Tirou a roupa completamente encharcada e estendeu-a no chão, na esperança de conseguir secá-la um pouco, o que seria praticamente impossível face ao frio que se fazia sentir.

Sentou-se, ficando por alguns momentos a contemplar o horizonte, para o qual se dirigia o barqueiro, agora apenas um pequeno ponto escuro no meio do mar azul-gelo e prestes a desaparecer.

O cansaço acabou por o vencer e adormeceu, apesar do frio. Pelos seus cálculos, deviam ser cerca das três da tarde, mas o Sol tinha pouca força, aliás, como sempre sucedia na Ilha.

Era um local inóspito, gelado. Tinha pouca ou nenhuma vida, exceptuando um ou outro animal, como as cabras montanhesas que Morten não conseguia perceber de onde vinham, assim como algumas cabeças de gado bovino.”

in “A Ilha”

"A Ilha" Luz de Lisboa

“A Ilha” Luz de Lisboa